América-MG

Em jogo quente no Mineirão, Coelho ganhou clássico e ficou mais perto da final do Estadual

Em jogo muito movimentado no Mineirão, o América marcou dois gols nos minutos finais e venceu o clássico contra o Cruzeiro por 2 a 1, de virada, neste domingo, no primeiro duelo das semifinais do Campeonato Mineiro. Com o resultado, o Coelho ampliou a vantagem que tinha sobre a Raposa para avançar à final.

O JOGO:

Mesmo com William Pottker brilhando com dois gols e uma assistência na vitória do Cruzeiro sobre o Patrocinense por 4 a 0, Felipe Conceição optou pela escalação de Rafael Sobis, que não pôde jogar a 11ª rodada da primeira fase pelo acúmulo de três cartões amarelos. No América, Lisca voltou a contar com o lateral-esquerdo João Paulo, recuperado de desgaste muscular.

Os primeiros dez minutos do clássico foram de domínio na posse (62% a 38%) e marcação alta do Cruzeiro. Airton, Bruno José e Rafael Sobis apertavam a saída de bola americana e obrigavam Eduardo Bauermann e Anderson a darem chutões. Por outro lado, os zagueiros celestes Weverton e Ramon tinham espaço para a transição, visto que não estavam tão pressionados pelos adversários.

Apesar da movimentação de ambas as equipes, a primeira chance perigosa só veio aos 21 minutos, depois de um descuido do sistema defensivo do Cruzeiro. A bola ficou viva na grande área e sobrou para Felipe Azevedo, que encheu o pé buscando o canto direito e por pouco não abriu o placar para o América. Fábio se esticou e espalmou para o lado.

A Raposa respondeu à altura aos 31 minutos, em chute de fora da área de Rafael Sobis. Um desvio sutil de Diego Ferreira modificou a trajetória da bola e quase complicou Matheus Cavichioli. O goleiro do América tentou segurar firme, porém ao perceber que iria cair em direção ao gol, conseguiu soltar a redonda à linha de fundo com uma manobra semelhante ao de um levantador de vôlei.

A partida seguiu lá e cá, com as duas equipes tentando abrir o placar. Aos 35 minutos, Rodolfo cobrou falta de média distância no canto direito, e Fábio rebateu em direção à linha lateral. Aos 36, o camisa 1 do Cruzeiro venceu mais um duelo com o centroavante americano, que estava impedido.

O Cruzeiro abriu o placar aos 37 minutos em uma jogada que começou com lançamento de Raúl Cáceres, arrancada de Bruno José nas costas de João Paulo e chute rasteiro de pé esquerdo de Rafael Sobis: 1 a 0. Só que o assistente número dois, Marcus Vinícius Gomes, assinalou impedimento. O VAR revisou o lance e verificou que o lateral-direito Diego Ferreira dava condições ao ponta-direita cruzeirense. Gol validado aos 40 minutos.

Sem alterações no intervalo, os times deram continuidade ao jogo lá e cá. Um passe em diagonal de Felipe Azevedo, aos 8 minutos, achou Rodolfo livre na grande área. A conclusão de primeira do centroavante carimbou o travessão.

Aos 13 minutos, o Cruzeiro fez o segundo gol com Airton, após chute mascado de Rafael Sobis. O VAR entrou novamente em ação e atestou que Matheus Barbosa estava adiantado no princípio da jogada.

No transcorrer da etapa complementar, os dois treinadores tentaram renovar o gás dos times com opções no banco de reservas. Felipe Conceição colocou Matheus Neris, Jadson, Felipe Augusto, Stênio e William Pottker. Lisca chamou Leandro Carvalho, Gustavo, Ribamar e Ademir.

As alterações de Lisca deram mais resultado, já que o América equilibrou as ações na posse de bola e acuou o Cruzeiro. A reação começou aos 40min, quando Leandro Carvalho cobrou escanteio, e Alê cabeceou para empatar: 1 a 1. A virada veio aos 45, com Ademir, que tocou a ponta da chuteira na bola após nova assistência de Carvalho e deixou o Coelho em cenário bastante favorável na luta por uma vaga na decisão.

VANTAGEM DO COELHO:

Como fez campanha superior na primeira fase – 2º lugar, com 22 pontos -, o América poderá até perder por um gol de diferença o confronto de volta, agendado para o próximo domingo, às 16h, no Independência. Quem avançar enfrentará Atlético ou Tombense na decisão. O alvinegro construiu placar confortável na ida: 3 a 0.